Pároco

 

pjsaomartinhoEu, Pe. José Airton de Oliveira, louvo e rendo graças a Deus por ter me dado o dom da vocação sacerdotal, através da qual há 16 anos vivo um intenso e profícuo trabalho a serviço da Igreja Católica. Para mim, não foi fácil responder a esse chamado. Olhando para o caminho percorrido, recordo-me dos momentos de alegria e felicidade, bem como das horas difíceis, de sofrimento e até mesmo de solidão, onde constantemente ressoava em meus ouvidos o alerta de Jesus àqueles que decidissem segui-lo: É preciso a cada dia, com confiança, colocar a cruz às costas e percorrer os caminhos de Deus.

 

Desde Criança sentia o chamado do Senhor. Claro que não em sonhos ou visões, mas nas pequenas coisas da vida, especialmente nos momentos de oração. Vim de uma família católica, mas não fervorosa. Morávamos em Areia Fina, Rio Negro e trabalhávamos na plantação de fumo. O Trabalho era árduo e em função disso, não pude concluir meus estudos. Embora fosse grande o desejo de ser padre, a entrada no seminário teve de ser adiada até o momento oportuno. Mais uma vez, o chamado do Senhor ressoava em meu interior e era com profundo pesar que sentia que ainda não poderia responder-lhe como desejava. Contudo, a providência divina veio a meu encontro. No ano de 1979 ocorreram as Santas Missões Populares, pregadas pelos redentoristas, cuja coordenação esteve a cargo do Padre Moacyr Bossay, que também era o promotor vocacional da congregação. Animado por ele, conclui meus estudos do ensino fundamental. Ao final de três anos, fui admitido no Seminário Santíssimo Redentor em Ponta Grossa, onde dei prosseguimento ao ensino médio. No ano de 1987 iniciei minha formação filosófica, na Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Porém, Deus que chama e escolhe, nos convida a trilhar caminhos que só Ele conhece. Ao final de sete anos de formação redentorista, senti o desejo de uma experiência mais contemplativa de Deus. Decidi ingressar na Ordem Cisterciense, tomando o hábito em 1991. Lá realizei os estudos teológicos no Seminário Coração de Maria, em São João da Boa Vista. Em 1995 fiz a profissão solene e recebi a ordenação diaconal. No ano seguinte, no dia 20 de Janeiro de 1996, recebi pela imposição das mãos de Dom Dadeus Grings a ordenação presbiteral, sendo configurado ao Cristo Cabeça, tornando-se para sempre um de seus servidores.

 

Imediatamente após a ordenação, iniciei meus trabalhos pastorais, sendo respectivamente: vigário paroquial na Paróquia Nossa Sra. das Graças, Vila Nova Cachoerinha, SP (1996), vigário paroquial na Paróquia de São Roque, em São José do Rio Pardo, SP (1997) e pároco da Paróquia Cristo Redentor, também em São José do Rio Pardo. Paralelamente, não abandonei o estudo e a pedido do superior de minha ordem, Dom Orani João Tempesta, realizei uma especialização em pastoral catequética no Istituto Pio XI, em São Paulo. Terminada esta especialização, fui designado professor de Doutrina e Sacramentos no Noviciado Cisterciense e Capelão do Instituto Santa Inês. Por ocasião do ano jubilar tive a oportunidade de realizar uma peregrinação a Roma, onde estive ao lado do Santo Padre, o Papa João Paulo II, de saudosa memória. Deste momento que marcou profundamente a minha vida, guardo com carinho uma foto, que conservo em meu local de trabalho.

 

No ano de 2001, teve início nova etapa em minha vida sacerdotal. Fui enviado ao Chile, para o Mosteiro Santa Maria de Chada, como Mestre de Noviços e Postulante e responsável pelas vocações do mosteiro. Foi uma experiência profundamente missionária, onde convivi com outra cultura, outro povo, outra realidade. Lá foi tomando forma um novo desejo dentro de mim e um novo horizonte foi se alargando em minha vida. O mesmo Senhor que me chamou para uma vida contemplativa colocou em meu coração o desejo de realizar um trabalho mais pastoral, fora das paredes do mosteiro, inserido no meio do seu povo.

 

Retornando ao Brasil em abril de 2005, fiz o pedido para fazer uma experiência pastoral na Arquidiocese de Curitiba, com vistas a uma futura encardinação, tendo sido bem acolhido por nosso Arcebispo Dom Moacyr, que me nomeou como vigário paroquial da Paróquia Santo Antônio da Lapa, onde fiquei durante 2 anos.

 

Em Seguida fui nomeado Pároco da Paróquia Nossa Senhora Rainha da Paz em São José dos Pinhais. Também, tive a oportunidade de voltar a minha terra natal em Abril de 2008 sendo Pároco da Paróquia Senhor Bom Jesus da Coluna em Rio Negro.

 

Atuei na Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Palmeira desde o dia 12 de fevereiro de 2010 nesta cidade de Palmeira com muito alegria e hoje atuo desde o dia 19 de Agosto na Paróquia São Martinho de Lima em Curitiba.

 

Passados 16 anos de consagração total ao Senhor e a sua Igreja, agradeço a todos aqueles com quem convivi e trabalhei, que me auxiliaram nas horas alegres e difíceis, especialmente nos momentos de doenças, sendo para mim verdadeira família espiritual. De forma especial, lembro a presença materna de Maria Santíssima, a quem consagrei o meu sacerdócio e de quem busco constantemente imitar a vida e as virtudes, a fim de ser cada vez mais fiel discípulo do Senhor. Encerrando essa reflexão, reafirmo a decisão de 16 anos atrás e motivo aqueles que sentem-se chamados a colocar a sua vida ao serviço do Reino de Deus que não temam, mas coloquem-se com inteira confiança nas mãos do Senhor. Que o lema “Amar e servir com Alegria” adotado em minha vida sacerdotal seja o compromisso que renovo diariamente com Deus e com o seu povo.