Celebração de Exéquias

                                                                                     COMEMORAÇÃO DE TODOS OS FIEIS DEFUNTOS

Celebração de Exéquias

     Que a paz do Senhor esteja com todos ao iniciarmos o mês de novembro, celebrando após o dia de todos os santos a comemoração de todos os fieis defuntos.

Sempre convidamos um ministro ou um sacerdote para ir fazer a encomendação ou exéquias, que na verdade é uma Celebração da Esperança, pois o cristão não se desespera

diante da morte mas celebra a esperança do dia da ressurreição que todos passaremos.


roteiro-homiltico-do-31-domingo-comemorao-de-todos-os-fiis-defuntos-1-4-638

 

    Por tanto é muito  salutar que nós saibamos entender bem esse momento e confiar no Senhor, pois somente ele que vem em nosso socorro diante desta realidade que vivenciamos.

    A oração é a melhor maneira de nós confiarmos ao Senhor aqueles que fizeram sua páscoa definitiva. Rezamos por eles, mas principalmente pelos familiares para que sejam confortados

neste momento de dor.

    A celebração de exéquias, encomendação ou celebração da esperança são momentos fortes ou maneiras que vamos utilizando para confortar os familiares naquele momento difícil que

todos passam.

    Muitas vezes desesperador, por isso é muito importante que em nossas comunidades se tenha pessoas  equilibradas e bem preparadas para esse momento, principalmente os

ministros da esperança estejam  dispostos a atender bem os familiares com estas orações, cânticos e leituras da palavra de Deus.

    Temos  em nosso sacramentário um modelo a ser seguido e prescrito pela igreja que se pode fazer e bem como no manual dos mesc podemos encontrar celebrações próprias para este momento,

que deve ser feito com muito respeito e com caridade.

    Apresento aqui algumas considerações que estão  no cerimonial dos bispos os números 395 ao 399, fala sobre o tema:

“ A Igreja oferece o Sacrifício eucarístico pelos Defuntos e por eles intercede, não só nas exéquias e dia aniversário, mas também numa Comemoração anual de todos os seus filhos que

adormeceram em Cristo, aos quais procura ajudar diante de Deus com poderosos sufrágios, para que sejam associados aos cidadãos do céu. Deste modo, pela comunhão de todos os

membros de Cristo, ao mesmo tempo que implora auxílio espiritual para os defuntos, inspira aos vivos consolação e esperança.  

     Ao celebrar esta Comemoração, procure o Bispo afirmar a esperança na vida eterna, de tal forma, porém, que não dê a idéia de ignorar ou menosprezar o modo de pensar e de agir dos

homens da sua diocese no que se refere aos defuntos. Quer se trate, portanto, de tradições familiares, quer de costumes locais, tudo quanto de bom encontrar, de boa mente o aprove; o que,

porém, de algum modo contrarie o espírito cristão, procure modificá-lo, no sentido de que o culto prestado aos mortos seja a expressão de fé pascal e a manifestação do espírito evangélico.  

     Na Comemoração de todos os fiéis defuntos, onde for costume, neste dia, reunirem-se os fiéis na igreja ou no próprio cemitério, é conveniente que o Bispo celebre a Missa com o povo e

tome parte, com sua Igreja, nos costumeiros sufrágios pelos defuntos. 

 No cemitério ou nas igrejas em que estão sepultados os corpos dos defuntos, ou à entrada de jazigo, ou junto da sepultura dos Bispos, a Missa pode ser seguida da

aspersão e incensação dos sepulcros, na forma a seguir descrita. ” 

Papa Francisco

 

Anotações para o dia de finados 

1.Neste dia, não se ornamenta o altar com flores; e o toque do órgão e de outros instrumentos só é permitido para sustentar o canto.

2.Aos que visitarem o cemitério e rezarem, mesmo só mentalmente pelos defuntos, concede-se uma Indulgência Plenária,

só aplicável aos defuntos: diariamente, do dia 1º ao dia 08 de novembro, nas condições costumeiras, isto é: confissão sacramental, comunhão

eucarística e oração nas intenções do sumo Pontífice; nos restantes dias do ano, Indulgência Parcial

3.Ainda neste dia, em todas as Igrejas, oratórios públicos ou semi-públicos, igualmente lucra-se uma Indulgência Plenária,

só aplicável aos defuntos: a obra que se prescreve é a piedosa visitação à igreja, durante a qual se deve rezar a Oração dominical e o Símbolo

(Pai Nosso e Creio), confissão sacramental, comunhão eucarística e oração na Intenção do Sumo Pontífice (que pode ser um

Pai Nosso e Ave Maria, ou qualquer outra oração conforme inspirar a piedade e devoção).

4.Por constituição Apostólica do Papa Bento XV, de 1915, neste dia, todos os sacerdotes podem celebrar três Santas Missas, das quais, porém, uma deve ser por todos

os Defuntos e uma pelas intenções do Santo Padre.

5.Leituras próprias para as celebrações do Dia de Finados encontram-se no lecionário (volume I, p. 1051ss.) ou no Ritual das Exéquias.

 

Pe José Airton de Oliveira

Pároco paróquia São Martinho de Lima

Comissão Litúrgica Arquidiocese de Curitiba

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.